Homem Português -Fernando Barbosa O Senhor dos Gelados !

Fernando Barbosa herdou de seu avô o gosto pela gastronomia. Assim, inicia a sua carreia aos 16 anos como pasteleiro  na pastelaria dos pais, mas como sempre foi empreendedor trilhou seu próprio caminho . ” Põe o máximo de ti em tudo que fazes “ Hoje em dia, é responsável pela marca de gelados artesanais “Bianco” e é o criador da receita de gelados artesanais que conquistam os portuenses e turistas que passam por esta gelataria, na cidade do Porto. A “Bianco Vicent” conta com cinco lojas espalhadas desde norte a sul de Portugal e os seus gelados marcam presença em grandes … Continuar a ler Homem Português -Fernando Barbosa O Senhor dos Gelados !

Revista Sotaques Nº 12 |Dezembro

Leia aqui a edição de Dezembro da Revista Sotaques Brasil Portugal. Link para visualizar a revista on-line: https://issuu.com/sotaques/docs/rs12   #Sotaques #Outono2016 #Brasil #Portugal #Sotaquesbrasilportugal #Portugueses #Brasileiros #Porto#Lusobrasileira #arlequim13 #Homemportuguês #osomquenosseduz #Dezembro #Seduz #GuitarraPortuguesa #Moda #Fashion #Cultura #Revista #Online Continuar a ler Revista Sotaques Nº 12 |Dezembro

“Um amor proibido …. a padeirinha e o nobre” Biscoitos Diogo

As histórias perduram no tempo das famílias, e sem dúvida que na família “ Diogo” são várias, com muitos momentos , que marcam a sua história. Possivelmente no século XVIII, sob regência de el rei D. Pedro II, já a casa onde hoje em dia se fabricam os afamados “ Biscoitos Diogo”, existia e a família dedicava-se ao armazenamento de farinhas, e à produção das famosas “ Carcaças ou sêmeas” sendo também a agricultura o seu sustento Uma bela quinta abraçava a “ Casa Amarela “, onde abundava a fruta, os legumes , os cereais e o vinho.     De salientar que na frente da … Continuar a ler “Um amor proibido …. a padeirinha e o nobre” Biscoitos Diogo

Sabores de Minas

Panelas de pedra: As panelas de pedra em produção artesanal representam a tradição da cozinha mineira juntamente com os fogões a lenha, tachos de cobre, colheres de pau. Antigamente itens comuns nas cozinhas, hoje são peças de alto valor cultural.   Confit: Apesar de bastante tradicional, principalmente nas cidades do interior, a culinária mineira também apresenta cardápios requintados e mais elaborados baseados em pratos de outros países como França, Itália, Espanha, Marrocos e Japão. A renovação no menu ganha adaptações eventualmente e tem conquistado cada vez mais o público. Na foto em questão é apresentado um Confit de Canard, prato … Continuar a ler Sabores de Minas

Bianco Vicent… Muito mais que uma gelataria, a alma do Porto

Bianco Vicent é uma gelataria portuguesa situada na baixa portuense , mais concretameante na “A Ourivesaria no Norte de Portugal”, uma das casas mais bonitas da cidade do Porto . Instalada na antiga Casa Vicent, criada no século xx , teve a sua fachada elaborada em plena 1.ª Grande Guerra Mundial, entre 1914 e 1915, com materiais provavelmente encomendados à Companhia Aliança. Foi fundada no Porto, em 1852, pelo Barão de Massarelos.  A designação pela qual este estabelecimento é conhecido devese ao comerciante estrangeiro que nele se instalou, de nome Vicent, numa época em que a rua onde abriu se … Continuar a ler Bianco Vicent… Muito mais que uma gelataria, a alma do Porto

O gosto cítrico da vida

Sinto o gosto das frutas cítricas quando penso nos trópicos, no Brasil e nas suas praias e cores. Não moro mais lá, mas a raiz brasileira ainda pulsa em mim. O gosto das suas frutas cítricas, laranja, tangerina, limão. Elas amargam minha boca, minhas têmporas latejam e minha boca enche de água. Ahhh, o cítrico. Cheiro cítrico, gosto cítrico. Amo o cítrico. Meus amigos sempre me diziam que eu era amarga, mas na verdade acho que eu sou cítrica, em meu cheiro e gosto. Minhas lágrimas são cítricas assim como meu suor. Quando me corto, o gosto do sangue que … Continuar a ler O gosto cítrico da vida

Castanha do Pará

A Bertholletia excelsa, popularmente conhecida como castanha-do-brasil, castanha-do-acre, castanha-do-pará, noz amazônica, noz boliviana, tocari e tururi é uma árvore de grande porte, muito abundante no norte do Brasil e na Bolívia, cujo fruto (ouriço) contém a castanha, que é sua semente. É uma árvore da família botânica Lecythidaceae, nativa da Floresta Amazônica. “Castanha” vem do grego kástanon, através do latim castanea. O seu maior exportador não é o Brasil e sim a Bolívia, onde são chamadas de almendras, ou ainda “noz amazônica” e “noz boliviana”. Isto se deve à drástica diminuição da espécie no Brasil, devida ao desmatamento. O nome … Continuar a ler Castanha do Pará