Azulejos: uma arte também brasileira

Azulejos de Athos Bulcão (Igrejinha) - Brasília

Desde que vieram para o Brasil, os azulejos foram recebidos como parte integrante da cultura brasileira. Trabalhos como o painel de Portinari, no Ministério da Educação e Saúde do Rio de Janeiro ou o mural de São Francisco de Assis na Pampulha, são apenas dois exemplos de uma criação artística que se encontra disseminada  em vários Estados brasileiros.

Os primeiros registos conhecidos de azulejaria no Brasil,  remontam ao século XVII. Terá sido entre 1620 e 1640,  que chegaram de Portugal peças para ornamentar o Convento de Santo Amaro de Água-Fria, do engenho Fragoso, em Olinda, que hoje se encontram expostas no Museu regional de Olinda.

Neste século,  intensificaram-se as construções de templos, engenhos e palácios,  e os azulejos multiplicaram-se nos novos edifícios. Em 1737 chegaram de Portugal os sumptuosos painéis da capela mor do Convento de São Francisco na Bahia, o maior repositório de azulejos portugueses no mesmo tecto, a seguir a São Vicente de Fora em Lisboa.

Após a independência, a azulejaria brasileira cresceu  extraordinariamente. Há referências na altura a azulejos de grande qualidade, produzidos em Niterói por Antônio Survílio & Cia, que foram expostos na primeira Exposição Nacional em 1861.

No Rio de Janeiro dois fabricantes, José Botelho de Araújo e Rougeot-Ainé, participaram na II Exposição nacional em 1866. Também há registros de novos trabalhos até ao fim do século XIX.

O século XX trouxe consigo a produção regular de azulejos. Fábricas como a de Santa Catarina, em São Paulo ou a Manufactura Nacional de Porcelana, no Rio de Janeiro, estimularam  a produtividade da azulejaria.

Apareceram novas fábricas, nas décadas seguintes, como  destaque para unidades como a  Matarazzo, a Schimidt,  a Mauá, a  Incepa,  a Iasa  ou a Steateta. Os padrões foram variando, as técnicas aperfeiçoaram-se, o azulejo passou a combinar o melhor do design com a sua elegância clássica.

Hoje o Azulejo é parte importante da cultura brasileira. E é um daqueles elos de ligação entre o Brasil e Portugal que o tempo, em vez de apagar,  tornando-se cada vez mais presente e visível na vida quotidiana.

Paulo César, correspondente da revista Sotaques no Brasil

 

www.facebook.com/sotaques – Divulgamos a qualidade do que é nosso !

 

Painel de azulejos d

Painel de azulejos de Cândido Portinari na Igreja de São Francisco de Assis em Belo Horizonte – Minas Gerais – Brasil

Igreja de Nossa Senhora da Corrente

Igreja de Nossa Senhora da Corrente – Penedo – Alagoas – Brasil

Semáforo revestido de azulejos - São Luís of Maranhão, Brazil

Semáforo revestido de azulejos – São Luís do Maranhão – Brasil

Os tradicionais azulejos de São Luís, Maranhão

Os tradicionais azulejos São Luís do Maranhão – Brasil

azulejos de Cândido Portinari

Azulejos de Cândido Portinari

Azulejos-bahia2

Azulejos-Bahia

Palácio Gustavo Capanema-RJ - Detalhe do painel, em azulejo, de autoria de Cândido Portinari.

Palácio Gustavo Capanema-RJ – Detalhe do painel, em azulejo, de autoria de Cândido Portinari.

 

#Azulejo #Portugal #Brasil #Sotaques #Porto #Bahia #SotaquesBrasilPortugal

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s