Anima Luminaria, a arte do invisível que ilumina o Porto

 

O português Paulo Gaspar Ferreira e a brasileira Luciana Bignardi fotografaram, durante cinco meses, milhares de clarabóias. Fruto desta parceria luso-brasileira nasceu um livro,  que reúne a poesia visual desses objectos e as palavras que os poetas lhes dedicaram.capa04

Saiba mais, nesta entrevista, sobre a alma luminosa que se esconde atrás das clarabóias do Porto

P – Paulo e Luciana : para compreender melhor este projecto, é imprescindível conhecermos melhor a vossa trajectória profissional. Qual foi o vosso percurso ?

PF   – Eu não sou apenas fotógrafo, sou várias coisas ao mesmo tempo. O meu pai era alfarrabista e, para mim,  a livraria dele foi uma Universidade, o local onde tirei o meu curso superior através dos  contactos com pessoas ligadas às artes, e a minha actividade profissional está ligada aos livros antigos.

LB– Eu sou natural de São Paulo e tenho uma formação ligada ao Design de ambiente : a arquitectura, o urbanismo  e a pintura eram áreas que me interessavam, mas aquilo que realmente me apaixonava era a fotografia.

P – Como surgiu esta parceria ?

PF – Há trinta anos que comecei a interessar-me por registar visualmente as clarabóias. Essa actividade exigia muitas horas – porque temos de fotografar este objecto a uma determinada hora para captar a luz – e quando conheci a Luciana e o trabalho dela, achei que era a altura ideal para realizarmos, em conjunto, um projecto sobre as clarabóias do Porto.

 

LB – Vivo há muitos anos em Portugal,  e sinto um grande afecto pela cidade do Porto. As clarabóias são também parte dessa cidade que  me diz muito.

Quisemos mostrar estas jóias que o Porto tem, que merecem ser cuidadas e preservadas,  porque muitas não estão num bom estado de conservação.

capa08

P – Vai ter continuidade este projecto  Anima Luminaria ?

PF  – Reunimos um conjunto de milhares de fotografias de clarabóias,  e surgiu a ideia de juntar esse registo fotográfico a poesia ligada a este tema. Curiosamente, existe uma quantidade assinalável de poemas ligados a este assunto, o que mostra que a beleza das clarabóias não passou despercebida aos poetas.

Outra possibilidade que achamos interessante,  é criar um roteiro turístico ligado às clarabóias.

LB– Este é um legado que as pessoas têm de conhecer melhor. Por estarem escondidas, às vezes não nos apercebemos onde estão as clarabóias.

Ainda há poucas semanas, encontrei por acaso uma clarabóia num local bastante curioso, e avisei o Paulo. Esta parceria também pretende dar a conhecer,  não só às pessoas que vivem na cidade, como aos estrangeiros e, naturalmente aos brasileiros, este traço da cultura burguesa que não encontramos num número tão esmagador  em nenhuma outra cidade do mundo.

Rui Marques

www.facebook.com/sotaques – Divulgamos as parcerias com sotaques

 

 capa01 capa02

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s