Jornalismo de excelência em nome da Mãe Natureza

0000 Entrevista com Sotaques: Luís Henrique Pereira, Jornalismo de excelência   em nome da Mãe Natureza

Ninguém fez mais pela divulgação televisiva  da vida natural em Portugal, nas últimas décadas, do que Luís Henrique Pereira. Este jornalista da Televisão Pública, nascido na cidade do Porto em 1970,  é o autor do programa “ Vida animal” da RTP, o único programa das Televisões portuguesas que, em permanência, nos revela as singularidades das várias espécies animais em Portugal e fora do nosso país.

O Sotaques falou com este repórter  global dos ecossistemas naturais, que mostra nesta conversa a sua paixão pela Amazónia e o Brasil, a sua ligação a ícones dos documentários como o mítico David  Attenborought,  e o seu compromisso firme em continuar a fazer Serviço público e aproximar os cidadãos da sua Mãe , a Natureza.

P –  “Vida Animal em Portugal e no Mundo” é um programa singular no contexto da Televisão Portuguesa. Como surgiu a ideia do programa e por que etapas passou até ser materializado?

L .H. Pereira – Desde muito pequeno que tenho fascínio pelos animais, pela vida selvagem. Recordo-me de ir para a que chamo de “Selva Urbana”, uma vez que nasci na cidade do Porto, e nos jardins capturar os animais mais variados entre abelhas, escaravelhos, formigas entre outros, devia ter nessa altura uns 8,9 anos. A ideia era só uma: observá-los mais de perto. Nessa altura,  coleccionava cromos de borboletas, mamíferos, insectos, peixes, enquanto que os meus amigos coleccionavam cromos de futebolistas ou corredores de Fórmula 1.

A seguir,  veio a fase dos livros que mais me marcaram. São exemplo disso :  “O Grande Livro dos Oceanos”, “A Vida na Terra” e o Planeta Vivo” de Sir David Attenborough, livros como “Os animais da Terra”,  as mais variadas Enciclopédias  da vida animal, tudo isso eu devorava.

Lembro-me de me levantar cedo, por volta das 7 da manhã,  aos fins-de-semana, para entrar nesse mundo encantatório que existia dentro dessas milhares de páginas dos mais variados autores como Jane Goodall,  que durante 40 anos,  estudou o comportamento dos chimpanzés em Gombe, na Tanzânia, Gerald Durrel, famoso divulgador e naturalista,  assim como o grande Félix Rodríguez de la Fuente. Outro dos meus adoráveis autores era, sem dúvida alguma,  Jacques-Yves Cousteau e o seu admirável “Mundo Submarino”.

Ora,  nos anos 70, 80 passavam na televisão algumas séries feitas por grandes cadeias internacionais de televisão como é o caso da BBC e,  em concreto,  a série de 13 episódios,  idealizada por Sir David Attenborough,  intitulada “A Vida na Terra”. Um sucesso mundial visto por mais de 500 milhões de telespectadores, em praticamente todo o mundo.

Lembro-me de nessa altura, ainda  não existiam  os primeiros vídeo gravadores, eu gravava junto ao altifalante do televisor o áudio dos programas com um gravador,  para a seguir reproduzir a narração e os sons,  a fim de “rever” as imagens do programa ou série.

Respondendo mais directamente à pergunta: entrei na RTP em 1994. De vez em quando,  lá ia fazendo um ou outro trabalho relacionado com a vida selvagem. Sempre entendi que a televisão, neste caso a RTP,  deveria ter desde o seu início uma unidade de História Natural, o que nunca aconteceu.

O “Vida Animal em Portugal e no Mundo”,  nasce como uma primeira série,  que juntava vários mini documentários em várias partes do país e do mundo. A partir daí,  deu-se a metamorfose e,  desde 2008,  que temos o PRIMEIRO PROGRAMA DA HISTÓRIA DE TODA A TELEVISÃO EM PORTUGAL DE PRODUÇÃO NACIONAL E EM CONTINUIDADE sobre vida animal, sobre vida selvagem.

Alimenta noticiários na RTP 1, o próprio programa na RTP Informação e RTP Internacional…enfim, praticamente é visto em todo o mundo,  através também dos canais e das antenas internacionais da RTP. No espaço de 5 anos,  já produzimos 140 documentários, entre formatos de 20 a 25 minutos e (a maior parte) formatos que não ultrapassam os 10 minutos.

A ideia, a minha ideia é acabar os meus dias a fazer documentários sobre a vida selvagem. É esse o meu grande objectivo em termos profissionais.

P – As questões relacionadas com a biodiversidade acompanharam a sua formação jornalística e pessoal ? Desde quando são temas que lhe interessam ?

L.H.Pereira – Posso dizer que desde sempre. Estudei na área de saúde, no Secundário,  que era a única que dava acesso à Biologia, ora eu sempre quis ser biólogo, mas a matemática não deixou, como costumo dizer, mas ainda bem.

Perdeu-se o biólogo,  ganhou-se o jornalista, um conservacionista, um naturalista e investigador, licenciado em Ciências da Comunicação (com média de 15 valores),  e com um Projeto Científico Final de Graduação intitulado “Vida Selvagem em Documentário”, que me valeu 19 valores como nota final.

Vai de resto agora ser passado a livro, também ele um guia pioneiro para os que querem enveredar por este mundo,  uma vez que se trata de uma recolha exaustiva dos conselhos e das técnicas dos mais prestigiados produtores,

realizadores, guionistas e autores de documentários da vida selvagem em todo o mundo. Muita bibliografia e outra tanta filmografia. Quase dois anos de trabalho de investigação e pesquisa.

P – Quem foram os seus modelos ou referências televisivas que o estimularam a desenvolver este programa?

L.H.Pereira –  Sem dúvida,  a escola da BBC, o chamado formato “Blue-Ship”: é uma filosofia  em que   há claramente o  máximo de ética, de espera, de brio, e da procura DA imagem, não DE UMA imagem. Sir David Attenborough,  que já tive o prazer de entrevistar em exclusivo para a RTP,  foi desde sempre para mim “A referência”.

A ideia de levar o espectador ao cenário e não o cenário ao espectador. Esse é ,para mim,  o maior desafio e quando é bem  conseguido, a maior das conquistas.

P – Como vê o estado da conservação da Vida Animal em Portugal?

L.H. Pereira – Não temos grande tradição no que à conservação da natureza diz respeito, ao contrário, por exemplo,  dos nossos vizinhos espanhóis. “Conseguimos” extinguir praticamente o Lobo Ibérico do nosso território, a Águia-real no Parque Nacional da Peneda Gerês, o Lince Ibérico…e  por aí fora.

Não há efectivamente, em minha opinião,  uma Legislação que possa, por exemplo, dissuadir os caçadores furtivos, os nossos Parques Naturais carecem de vigilância mais apertada, há na minha opinião tudo ou quase tudo por fazer e o que se faz…pelos vistos é raro resultar. É com muita mágoa que o digo, acreditem! Muita.

P – Quais são as espécies animais ameaçadas no nosso país? Sente que as autoridades têm desenvolvido um trabalho meritório na sua preservação?

L. H. Pereira – Infelizmente há muitas. Vou dar dois exemplos em que o Estado pouco ou nada interveio no sentido de “dar a mão”,  no sentido de salvar duas espécies. A Primeira é uma ave, o Priolo que só existe na Ilha de S. Miguel, nos Açores, o outro,  o cagarro, também ele ave,  que se encontra em território açoriano, depois a rola-brava que a sobre – caça quase fez desaparecer.

Entre as muitas Entidades que lutaram e  continuam a lutar,  para evitar que espécies como estas não desapareçam para sempre do nosso território  está, por exemplo,  a “Sociedade Portuguesa Para o Estudo das Aves”, a “Associação Ambientalista Quercus”, entre outras.

Têm muito trabalho feito no terreno,  e lá vão pressionando os governantes a olharem com mais atenção as temáticas ambientais.

P – Tem uma ligação forte ao Brasil e um conhecimento das paisagens naturais mais conhecidas mundialmente como o Amazonas. O Brasil é um país especial em termos de riqueza natural de espécies animais e vegetais?

L.H. Pereira – Quando estamos a falar,  por exemplo,  da Floresta Amazónia, estamos a falar de algo que sabemos muito importante, mas que conhecemos muito mal. Seis milhões de quilómetros quadrados de verde, o tamanho de meia Europa…inacreditável !!!

Acredita-se que só estejam descobertas apenas 20 por cento das espécies de animais e plantas que lá habitam. Fantástico.

A Amazónia Brasileira,  onde tive o grande prazer de estar e conhecer apenas “uma ínfima gotinha”, assim como a Amazónia Colombiana e Peruana, são um MUNDO. Não há palavras para descrever tanta maravilha junta, não se conseguem encontrar palavras. Impossível.

P – A Revista Online  Sotaques aposta na divulgação dos vários Sotaques portugueses e brasileiros. Ao longo das suas reportagens, em Portugal e no Brasil, qual foi o Sotaque que mais o surpreendeu ?

L.H.Pereira – O sotaque nordestino, gosto particularmente de sotaques também aqui em Portugal, sou também um apaixonado por vozes! Enfim uma outra paixão “oculta”.

P – E o Sotaque do Luís Henrique Pereira?  É tipicamente tripeiro ou tem outras influências?

L. H.Pereira – Repare:  eu fiz rádio e tenho ampla formação na colocação de voz, respiração, postura etc. Mesmo nascido no Porto há muita gente que garante que nasci em Lisboa! Mas eu acho que o meu sotaque é praticamente inexistente, em todos os sentidos.

P – Que paisagem, em Portugal e no estrangeiro, mais o deslumbrou no decorrer do programa ou nas suas viagens como turista?

L . H. Pereira -Respondo com uma palavra:Amazónia 

P – O Luís trabalha na redacção do Porto da RTP, nos estúdios localizados no Monte da Virgem, em Gaia. O Porto e Vila Nova de Gaia são bons exemplos a nível de respeito pela diversidade natural e animal?

L.H.Pereira  –  Resido em Gaia e em Espinho. Em Gaia tem havido nos últimos anos um esforço enorme em prol do ambiente e da educação ambiental.

No espaço de 8 anos, por exemplo,  80 por cento do saneamento estava por fazer. Hoje rara será a habitação que não o tem. O Parque Biológico de Gaia tem-se expandido, tem implementado um enorme esforço na criação de novos espaços verdes na cidade.

As melhores praias de Portugal  são as de Vila Nova de Gaia, no que à qualidade das areias e das águas diz respeito.

Para trás,  há um imenso trabalho ligado ao saneamento e construção de ETAR´s,  que depois vem dar ao concelho bandeiras azuis, acho que são 17 praias para 17 bandeiras azuis. Gaia é, de facto,  um bom exemplo no que à preservação ambiental diz respeito,  e também na  à constituição de novos projetos ambientais.

P – Que locais, no Porto e em Gaia, recomenda para os amantes da natureza fazerem uma visita?

L.H.Pereira  – Em Gaia  desde logo o Parque Biológico e a obra que lá está,  que remete o visitante também para a restante obra ambiental no Concelho. A Reserva Natural Local do Estuário do Douro, a primeira a nascer em Portugal.

No Porto, a Zona da Foz e o Parque da Cidade,  a par de outros Jardins maravilhosos como a casa Andresen e a Quinta da Macieirinha, junto à Sé,  por exemplo. Outros dos meus locais de eleição é o Passeio Alegre e as suas palmeiras,  que nos remetem para um exotismo tropical encantatório.

Era, de resto, o lugar predilecto do falecido poeta portuense Eugénio de Andrade.

P – Que opinião tem das paisagens do Douro e da região Duriense?

L.H. Pereira – Apaixonei-me eternamente pelo Douro, especialmente pelo “Canyon” do Douro Internacional. Absolutamente recomendável! Imperdível. Mágico!!!! 

P – Relativamente aos animais que filmou. Qual ou quais foram os que mais o impressionaram?

L.H. Pereira –Adoro aves, por isso diria que, se fosse um animal,  adoraria ser uma Águia-real ou então um golfinho, animais que filmei e que observei em estado selvagem com tempo e paixão.

P – Existem lugares onde gostaria de gravar o seu programa e aonde ainda não foi. Quais?

L. H. Pereira – Muitos…Muitos…Muitos. Deixo apenas dois exemplos: Bornéu e Papua Nova Guiné, para ver “cara a cara” as maravilhosas aves do paraíso.

P – Se lhe pedissem para fazer um programa que representasse o Planeta Terra como um todo, qual seria o lugar que escolheria para filmar?

L.H. Pereira – Boas parcelas dos fundos marinhos, uma vez que pelos visto conhecemos melhor o espaço do que as nossas profundezas oceânicas e,  por outro lado,  todas as zonas de Montanha que me fascinam,  e que remetem também não só para a vida selvagem mas para a História Natural,  para as alterações de que o planeta foi alvo ao longo de muitos milhões de anos.

P – O que representa a natureza para si?

L.H.Pereira – A Mãe…como todos lhe chamamos. Dela fazemos parte. Só que nunca demos conta disso.

R. Marques

http://www.sotaques.pt

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s